23 fevereiro 2017

A MAGIA DOS AVÓS

A MAGIA DOS AVÓS
NO XXVº ANIVERSÁRIO DO C.C.C.



Em 1998, festejou o Clube Convívio e Cultura (C.C.C.), o seu quarto de século da sua existência.

No mês de Junho foi apresentado o programa das comemorações que se iam desenrolar desde esse mês até 13 de Setembro, dia em que foi fundado.

Apresentação do programa das comemorações do 25º ano do C.C.C.. Da esquerda para a direita: José Emílio, Frei Nuno Santa Maria, Dr. Rui Silva e Ana Elisa do Couto


A sessão de apresentação desse mesmo programa, contou com a presença do vereador da cultura da Câmara Municipal de Penafiel, Dr. Rui Silva, Ana Elisa do Couto, promotora do Dia dos Avós (nessa altura ainda não tinha sido oficializado), Frei Nuno Santa Maria, Presidente da Assembleia Geral do C.C.C., e o professor José Emílio, um dos fundadores do Clube Convívio e Cultura.

Frei Nuno agradeceu a presença dos convidados e dos associados presentes, e lembrou o papel do Padre Abel na fundação do C.C.C., a Ordem Terceira proprietária do espaço onde funciona a instituição e também aqueles que ao longo dos anos deram o melhor de si pelo C.C.C..

José Emílio, historiou a vida do C.C.C., desde os tempos em que se chamava Juventude Peregrina, à decisão da oficialização, os eventos mais marcantes, tanto na área desportiva como cultural e as instituições e pessoas envolvidas nessa caminhada.

Ana Elisa do Couto, agradeceu o convite e a iniciativa da organização de promover os 1.ºs Jogos Florais sobre o tema “A Magia dos Avós”, e falou da sua luta por um dia dedicado a todos os avós.

O Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Penafiel, Dr. Rui Silva, felicitou o C.C.C., pelos 25 anos e lembrou que é necessário manter o seu dinamismo.

A sessão continuou com um recital de poesia e piano, a cargo dos declamadores Fernando Soares e Amílcar Mendes e da jovem pianista Cristina Sousa.



Nesse tempo o C.C.C., organizava no Largo da Ajuda o “Compasso da Noite”, que para além das actuações do Grupo de Guitarras de Penafiel, teve o seu ponto alto no dia 18 de Julho com a apresentação da ópera “Carmen” (fragmentos), do compositor francês, George Bizet. 

 

Do programa também constava a realização do “8º Vestido de Chita Infantil”, mas a grande novidade eram os primeiros Jogos Florais, dedicado ao tema: “A MAGIA DOS AVÓS”, nas modalidades Prosa ou Poesia Livre, estando abertas as inscrições, entre 5 de Junho a 4 de Setembro de 1998.

No dia 12 de Setembro teve lugar o jantar de aniversário do Clube Convívio e Cultura, encerrando as comemorações no dia seguinte, com a distribuição de prémios referentes aos Jogos Florais, levados a efeito para celebrar a efeméride e que tinha por mote a “Magia dos Avós”. 

Entrega dos prémios. Na mesa José Emílio, João Costa, Frei Nuno Santa Maria, Dr Fernando Ferreira Gomes (lendo o conto), e Ana Elisa do Couto.
 

Na poesia a vencedora foi Joana Andreia Sousa Costa e na prosa Fernando José de Oliveira, com o conto “O Prémio”, que publico a seguir.



O PRÉMIO



O avô de uns tempos a esta parte, anda todo animado com os jogos florais do C. C. C. (Clube de Convívio e Cultura), cujo tema é “A Magia dos Avós”.

Todos nós sabemos que ele não tem jeito para estas coisas, mas que ele meteu ombros à obra, isso ninguém duvide.

Jorra letras maiúsculas, minúsculas, vírgulas, pontos finais, acentos agudos, graves e esdrúxulos, circunflexo, tiles e aquela pontuação toda que nós conhecemos da gramática, para folhas em branco.

O dicionário, esse coitado anda numa roda viva para a frente e para trás vomitando palavras já meias tontas para a sua escrita.

Depois é o dobrar e guardar religiosamente as folhas para no final alinhar tudo como deve ser.

Eu, volta e meia dou uma espreitadela aos seus escritos desarrumados e ainda não sei se ele vai concorrer em prosa ou em verso, ou em ambas as modalidades, ou se vai misturar tudo.

Há dias fui pé ante pé sem que ele desse por isso até à macieira
que existe ao fundo do quintal, onde ele sentado sombra dela trauteava por entre dentes mais ao menos isto:

Os avós sabem histórias
Que nos contam em meninos
Nós gravamos na memória
Esses autênticos hinos

No colo de sua avó
É embalada uma neta
Docemente diz ó!...ó!...
Até dormir a boneca

Esta roda tem magia
Da vida passar por nós
Começamos como filhos
Acabamos como avós.

Quando deu pela minha presença sorriu.

- Que tal!... Gostas!...

Encolhi os ombros

- Foi o avô que fez ?

- Claro, quem havia de ser?

- Podias ler outra vez avô? É que eu não ouvi do princípio.

Com certa magia, o avô, ora num tom forte, ora num tom meigo consoante pedia a escrita, lá ia vestindo o seu texto a seu belo prazer.

Logo que acabou, bati-lhe palmas, corri para o seu colo, dei-lhe um xi-coração muito apertado e cravei-lhe um par de beijos em cada face do rosto.

Os olhos do avô ficaram húmidos de alegria e com a voz embargada desabafou:

"- Acabo de ganhar o prémio que mais ambicionava.”

O Poema vencedor de autoria de Joana Andreia de Sousa Costa, com o título:

A Magia dos Avós

Todos sabem, com certeza
A importância dos Avós
O quanto eles se preocupam
E gostam de nós
A palavra "avós" faz-nos lembrar
Aquelas figuras queridas
Que junto à lareira
Contam histórias das suas vidas 
Falam das dificuldades
Que passaram antigamente
E desejam para nós
Uma sorte diferente
Presenteiam-nos sempre que podem
Dando-nos brinquedos e gulodices
Defendem-nos sempre
E até nos deixam fazer tolices
Corrigem-nos com carinho
E nunca levantam a voz
Falam-nos de um modo especial
Como só falam os avós
Apertam-nos as bochechas
Dão-nos beijos no nariz
Dizem com emoção
"Como cresceu o meu pequeno petiz" 
Quando fazem cara feia
É porque nos portamos mal
Mas logo esquecem
E tudo fica igual
Então põem-nos na cama
E deitam-se em seguida
Pedindo ao nosso Anjo da Guarda
Que nos guie toda a vida
A Magia dos Avós
É algo inexplicável
E o seu amor por nós
É sincero e notável.

E pronto para que estas coisas não se percam com o tempo, e tinha prometido a sua publicação ao meu amigo Faria, organizador do site “Mundo dos Avós” (http://www.mundodosavos.com/), aqui fica a promessa cumprida, o que já não era sem tempo. Mas como diz a sabedoria popular: “mais vale tarde do que nunca”.

1 Comments:

Blogger António José Couto Faria said...

Meu Amigo Fernando

Sempre reconhecido e grato porque és um Penafidelense invulgar, positivo e desse modo terei de te prestar essa justiça, pois do mesmo modo sempre me incentivaste a que jamais deixe que o Dia dos Avós que minha Mãe conseguiu oficializar, esmoreça ou caia no esquecimento. Estou a ultimar um livro que espero esteja pronto para ser publicado no próximo mês de Julho e aí terei muito prazer de te oferecer. Abraço

5:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home